Início

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Voluntária católica de 99 anos visita doentes, doa mantimentos e arrecada roupa para os necessitados

Clotilde Veniel tem 99 anos de idade e é considerada a "decana" dos voluntários da Cáritas na arquidiocese espanhola de Valência. Mesmo com idade avançada ela ainda visita doentes, os consola e os anima, doa mantimentos e se encarrega de recolher roupa para reciclá-la.

O semanário diocesano Paraula da arquidiocese de Valência conta algo da vida desta viúva e mãe de dois filhos, que cumprirá 100 anos em maio. Com 5 netos e 5 bisnetos, é uma das fundadoras da Cáritas em sua paróquia na localidade de Bicorp.


"Ontem mesmo fui ver uma deficiente e outra mulher que caiu", assinala Clotilde ao Paraula em um artigo recolhido pela agência AVAN. O Artigo comenta que ela possui um caráter alegre além de ser companheira e até recita poesia para divertir os idosos carentes que visita.

Também relata que "falamos de coisas alegres do passado, como quando íamos passeio com os namorados, que é melhor do que falar dos dores".

Clotilde iniciou sua colaboração com o Cáritas em 1989, quando o então pároco da localidade, Padre Pascal Ripoll, "animou-nos a formar a Cáritas. Não tínhamos nada, e junto de outra garota íamos pedindo pelo povoado".

Na atualidade, Clotilde colabora recolhendo roupa usada, na "campanha do quilo", e inclusive "fazendo bolos e outros doces para arrecadar recursos na Feira Medieval que todos os anos se celebra no povo", assinala o Padre Juan Vila, atual pároco do Bicorp.

Na localidade é "uma mulher muito querida, vai a todas as reuniões do Cáritas e tem muita iniciativa", acrescenta o sacerdote.

Criada em uma família de sete irmãos, Clotilde assegura que sua longevidade é fruto do trabalho duro. "Trabalhei muitíssimo, quase desde que aprendi a andar", afirma.



São João Bosco

João Melquior Bosco, nasceu no dia 16 de agosto de 1815, numa família católica de humildes camponeses em Castelnuovo d'Asti, no norte da Itália, perto de Turim. Órfão de pai aos dois de idade, cresceu cercado do carinho da mãe, Margarida, e amparo dos irmãos. Recebeu uma sólida formação humana e religiosa, mas a instrução básica ficou prejudicada, pois a família precisava de sua ajuda na lida do campo. 

Aos nove anos, teve um sonho que marcou a sua vida. Nossa Senhora o conduzia junto a um grupo de rapazes desordeiros que o destratava. João queria reagir, mas a Senhora lhe disse: "Não com pancadas e sim com amor. Torna-te forte, humilde e robusto. À seu tempo tudo compreenderás". Nesta ocasião decidiu dedicar sua vida a Cristo e a Mãe Maria; quis se tornar padre. Com sacrifício, ajudado pelos vizinhos e orientado pela família, entrou no seminário salesiano de Chieri, daquela diocese. 



Inteligente e dedicado, João trabalhou como aprendiz de alfaiate, ferreiro, garçom, tipógrafo e assim, pôde se ordenar sacerdote, em 1841. Em meio à revolução industrial, aconselhado pelo seu diretor espiritual, padre Cafasso, desistiu de ser missionário na Índia. Ficou em Turim, dando início ao seu apostolado da educação de crianças e jovens carentes. Este "produto da era da industrialização", se tornou a matéria prima de sua Obra e vida. 

Neste mesmo ano, criou o Oratório de Dom Bosco, onde os jovens recebiam instrução, formação religiosa, alimentação, tendo apoio e acompanhamento até a colocação em um emprego digno. Depois, sentiu necessidade de recolher os meninos em internatos-escola, em seguida implantou em toda a Obra as escolas profissionais, com as oficinas de alfaiate, encadernação, marcenaria, tipografia e mecânica, repostas às necessidades da época. Para mestres das oficinas, inventou um novo tipo de religioso: o coadjutor salesiano. 

Em 1859, ele reuniu esse primeiro grupo de jovens educadores no Oratório, fundando a Congregação dos Salesianos. Nos anos seguintes, Dom Bosco criou o Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora e os Cooperadores Salesianos. Construiu, em Turim, a basílica de Nossa Senhora Auxiliadora, e fundou sessenta casas salesianas em seis países. Abriu as missões na América Latina. Publicou as Leituras Católicas para o povo mais simples. 

Dom Bosco agia rápido, acompanhou a ação do seu tempo e viveu o modo de educar, que passou à humanidade como referência de ensino chamando-o de "Sistema Preventivo de Formação". Não esqueceu do seu sonho de menino, mas, sobretudo compreendeu a missão que lhe investiu Nossa Senhora. Quando lhe recordavam tudo o que fizera, respondia com um sorriso sereno: "Eu não fiz nada. Foi Nossa Senhora quem tudo fez". 

Morreu no dia 31 de janeiro de 1888. Foi beatificado em 1929 e canonizado por Pio XI em 1934. São João Bosco, foi proclamado "modelo por excelência" para sacerdotes e educadores. Ecumênico, era amigo de todos os povos, estimado em todas as religiões, amado por pobres e ricos; escreveu: "Reprovemos os erros, mas respeitemos as pessoas" e se fez , ele próprio, o exemplo perfeito desta máxima.

Fonte: Paulinas


Marxismo Cultural e Revolução Cultural - Aula IV

Enquanto os EUA viviam Woodstock e a revolução cultural, o Brasil vivia um regime de exceção, de um governo civil-militar que foi instaurado para evitar a instalação do comunismo no Brasil. Em 1964, antes do início do processo mundial de transformações culturais, os militares estavam preocupadíssimos com a situação do comunismo no Brasil. A Igreja brasileira apoiava os militares, fazendo diversas manifestações populares contra o comunismo no país. A Igreja brasileira era conservadora e anticomunista.


Para assistir a aula I, II e III acesse aqui.

Fonte: padrepauloricardo.org

Palavra Católica - São Filipi Néri





São Filipe  deu o seguinte conselho a  uma pessoa que  se queixava da sua cruz: "Meu filho,  a  grandeza  do amor que se tem a Deus, é medida pela grandeza do desejo de sofrer  muito por amor de Deus; quem se impacienta com a cruz, achará uma outra mais pesada"

Ao falar das crianças abandonadas: "Contanto que os meninos não pratiquem o mal, eu ficaria contente até se eles me quebrassem paus na cabeça." 






segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Manifestação de apoio aos bispos do Uruguai na luta contra o aborto

Padre Paulo Ricardo convida os católicos brasileiros a manifestarem seu apoio aos valorosos bispos do Uruguai que lutam contra a aprovação do aborto em seu país.


E-mails do Bispos Uruguaios

Conferencia episcopal de Uruguay
ceusecre@adinet.com.uy

Diócesis de Salto, Obispo Mons. Pablo Jaime Galimberti Di Vietri
obispadodesalto@adinet.com.uy

Diócesis de Tacurembó, Obispo Mons. Julio César Bonino
recepcióntbo@adinet.com.uy; ceutbo@adinet.com.uy; ceurivera@adinet.com.uy

Diócesis de Melo, Obispo Mons. Heriberto Bodeant
obispadodemelo@hotmail.com; vicariapastoralmelo@gmail.com; frmabbtd@adinet.com.uy

Diócesis de Minas, obispo Mons. Jaime Rafael Fuentes
obispojaime@gmail.com

Diócesis de Maldonado, Obispo Mons. Rodolfo Wirz
ceumaldo@adinet.com.uy

Canelones, Obispo Mons. Alberto Sanguinetti Montero
cancillería.can@adinet.com.uy; curiacan@adinet.com.uy

Diócesis de Florida, Obispo Mons. Martín Pérez Scremini
pescre1@yahoo.com.ar, mariboz@hotmail.com

Arquidiócesis de Montevideo, Obispo Mons. Nicolas Domingo Cotugno Fanizzi
vicariopastoral@gmail.com;secretariadjunta@arquidiocesis.net

Diócesis de San Jose Mayo, Obispo Mons. Arturo Eduardo Fajardo Bustamente
catsj@redfacil.com.uy

Diócesis de Mercedes, Obispo Mons. Carlos María Collazzi
obismerc@adinet.com.uy



Marxismo Cultural e Revolução Cultural - Aula III

A Primeira Guerra Mundial representou uma crise teórica para o marxismo, pois este esperava que os trabalhadores se unissem contra seus empregadores, mas o que aconteceu foi exatamente o contrário: os trabalhadores se uniram uns contra os outros. A grande pergunta que surgiu foi a seguinte: quem alienou os trabalhadores desta forma? Um alienado, segundo o marxismo, é alguém que renunciou aos seus direitos de classe para dá-los a outra pessoa. Quando ele para de lutar pelos seus direitos de classe, está servindo a outra classe. Quem alienou o proletário, o pobre? A resposta do marxismo: a civilização ocidental. 

Dois pensadores diferentes encontraram a mesma resposta para o dilema da alienação: o primeiro foi Antonio Gramsci, que na URSS viu os limites da teoria marxista, tomando consciência da necessidade da mudança de cultura para a implantação da mentalidade socialista; o outro foi Georg Lukács, que em união com Felix Weil, fundou, em 1923, o Instituto para Pesquisa Social , contando também com a colaboração de outros pensadores, tendo como objetivo o estudo da civilização ocidental com o intuito de destruí-la. Este Instituto também ficou conhecido como escola de Frankfurt, tendo como principais membros Max Horkheimer, Theodor Adorno, Herbert Marcuse, Erich Fromm, Wilhelm Reich .


Para assistir as aulas I e II acesse aqui



sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Foto da Semana

O Papa Bento XVI abençoa os cordeiros com cuja lã serão confeccionados os pálios a serem entregues aos metropolitas eleitos no decorrer do ano.

Deus proíbe a confecção de imagens?

"Farás também dois querubins de ouro; de ouro batido os farás, nas duas extremidades do propiciatório." (Ex 25,18)

Muitas vezes andando nas ruas encontramos pessoas vestidas com ternos e com uma Bíblia na mão, ensinando que usar imagens em igrejas é idolatria.

Por este motivo costumam chamar os católicos de idólatras, isto é, adoradores de ídolos, que quer dizer adoradores de falsos deuses. E ainda acusam a Igreja Católica de ensinar a adoração destas imagens.

Os protestantes encaram o uso das imagens sacras como um insulto ao mandamento divino que consta em Ex 20,4 que proíbe a confecção delas.

A Igreja Católica sempre defendeu o uso das imagens. Estaria a Igreja Católica desobedecendo a ordem divina em Ex 20,4?

A Igreja Católica é a única Igreja que tem ligação direta com os apóstolos de Cristo, sendo ela a guardiã da doutrina ensinada por eles e por Cristo, sem lhe inculcar qualquer mudança. Se ela quisesse mesmo agir contra a ordem divina, teria adulterado a Bíblia nas passagens em que há a condenação das imagens.
Na Bíblia católica - pois a Bíblia protestante não contém sete livros relativos ao Velho Testamento- o Livro da Sabedoria condena como nenhum outro a idolatria (Sb 13-15). Não poderia a Igreja repudiar o livro como fizeram os protestantes?

Na Sagrada Escritura há outras passagens que condenam a confecção de imagens como por exemplo: Lv 26,1; Dt 7,25; Sl 97,7 e etc. Mas também há outras passagens que defendem sua confecção como: Ex 25,17-22; 37,7-9; 41,18; Nm 21,8-9; 1Rs 6,23-29.32; 7,26-29.36; 8,7; 1Cr 28,18-19; 2Cr 3,7,10-14; 5,8; 1Sm 4,4 e etc.

Pode Deus infinitamente perfeito entrar em contradição consigo mesmo? É claro que não. E como podemos explicar esta aparente contradição na Bíblia?

Isto é muito simples de ser explicado. Deus condena a idolatria e não a confecção de imagens. Quando o objetivo da imagem é representar, ou ser um ídolo que vai roubar a adoração devida a somente a Deus, ela é abominável. Porém quando é utilizada ao serviço de Deus, no auxílio à adoração a Deus, ela é uma benção. Vejamos os textos abaixo:

"Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem embaixo da terra, nem nas àguas debaixo da terra. Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque Eu, o Senhor teu Deus, sou zeloso, que visito a maldade dos pais nos filhos até a terceira geração daqueles que me aborrecem."(Ex 20,4-5)

Note que nesta passagem a função da imagem é roubar a adoração devida somente a Deus. O texto bíblico condena a confecção da imagem porque ela está roubando o culto de adoração ao Senhor. A existência deste mandamento se deve pelo fato do povo judeu ser inclinado à idolatria, por ter vivido no Egito que era uma nação idólatra e por estar cercado de nações pagãs, que não adoravam a Deus, e que construíam seus próprios deuses. Deus quer dizer aqui "não construam deuses para vocês, pois Eu Sou o Deus Único e Verdadeiro".

"Farás também dois querubins de ouro; de ouro batido os farás, nas duas extremidades do propiciatório. Farás um querubin na extremidade de uma parte, e outro querubin na extremidade de outra parte; de uma só peça com o propiciatório fareis os querubins nas duas extremidades dele." (Ex 25,18-19)

Neste versículo, Deus ordena a Moisés que construa duas imagens de querubins que serão colocadas em cima da arca-da-aliança, onde estavam as tábuas da lei, dos dez mandamentos. Veja que os querubins aqui não são objetos de adoração, mas de ornamentação da arca. Salomão também manda construir dois querubins de madeira, que serão colocados no altar para enfeitar o templo (1Rs 6,23-29).
Para deixar mais claro ainda a proibição e a permissão do uso das imagens sacras, vejamos os próximos versículos:

"E disse o Senhor a Moisés: Faze uma serpente ardente e põe-na sobre uma haste; e será que viverá todo mordido que olhar para ela. E Moisés fez uma serpente de metal e pô-la sobre uma haste; e era que, mordendo alguma serpente a alguém, olhava para a serpente de metal e ficava vivo." (Nm 21,8-9)

"Este [Ezequias] tirou os altos, e quebrou as estátuas, e deitou abaixo os bosques e fez em pedaços a serpente de metal que Moisés fizera, porquanto até aquele dia os filhos de Israel lhe queimavam incenso e lhe chamavam Neustã."(2Rs 18,4)

Note que no primeiro texto de Nm 21,8-9, Deus não só permitiu o uso da imagem, como também a utiliza para o seu serviço; e a transforma em objeto de benção para seu povo, sinal de Seu amor por Israel.
E no segundo texto de 2Rs 18,4 a mesma serpente de metal que outrora foi construída por Moisés, é repudiada por Deus. Tornou-se objeto de adoração pois "os filhos de Israel lhe queimavam insenso". Deram a ela o culto devido somente a Deus. A Serpente de metal perdeu como nos mostra o texto, o seu sentido original, porque os filhos de Israel "não obedeceram à voz do Senhor, seu Deus; antes, tranpassaram seu concerto; e tudo quanto Moisés, servo do Senhor, tinha ordenado, nem o ouviram nem o fizeram."(2Rs 18,12)

Aí fica mais que claro que Deus não condena o uso das imagens sacras e sim a idolatria. É importante lembrarmos que há muitas outras formas de idolatria, como o amor ao dinheiro, aos bens materias, etc; que substituem o amor que devemos ter somente por Deus.


Fonte: LIMA, Alessandro. Apostolado Veritatis Splendor: Deus proíbe a confecção de imagens?  . Disponível em  http://veritatis.com.br/apologetica/123-imagens-santos/554-deus-proibe-confeccao-imagens , desde 05/11/2001.


Vaticano desmente energicamente acusações de corrupção



O Diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Pe. Federico Lombardi, desmentiu categoricamente as graves acusações apresentadas por um programa de televisão e diversos meios escritos sobre um suposto caso de corrupção no manejo econômico no Vaticano.

ACI Digital apresenta uma tradução não oficial (do italiano) da nota divulgada pelo Pe. Lombardi esta quinta-feira 26 de janeiro, na qual explica os fatos relacionados ao Arcebispo Claudio Maria Vigano, atual Núncio Apostólico nos Estados Unidos e ex-secretario da Governadoria do Estado Vaticano.


"O programa televisivo ‘Os intocáveis’ irradiado ontem à noite, acompanhado do habitual entorno de artigos e comentários pode ser objeto de múltiplas considerações, começando por questionar o método e os expedientes jornalísticos com os quais foi realizado, para continuar com a amargura de difundir documentos reservados.

Mas não é disso que queremos falar agora, posto que hoje em dia o assinalado é muito habitual, seja como método geral ou como estilo de informação parcializada em relação ao Vaticano e à Igreja Católica. Propomos por isso duas simples considerações que não tiveram espaço no debate.

A primeira: a atividade desenvolvida por Dom Vigano como Secretário Geral da Governadoria certamente teve muitos aspectos positivos, contribuindo a uma gestão caracterizada pela busca do rigor administrativo, a economia e a retificação de uma difícil situação econômica general.

Estes resultados obtidos durante a presidência do Cardeal (Giovanni) Lajolo, são claros e ninguém os nega. Uma valoração mais adequada requereria entretanto ter em conta a marcha dos mercados e os critérios de investimento nos últimos anos, recordar ademais outras circunstâncias importantes como os resultados notabilíssimos da atividade dos Museus Vaticanos, com um crescido fluxo de público e horários de abertura mais amplos, recordar aemais as finalidades não puramente econômicas mas sim de apóio à missão da Igreja universal de parte do Estado da Cidade do Vaticano que são motivo de gastos consideráveis, e assim sucessivamente.

Além disso, algumas acusações –inclusive muito graves– feitas no transcurso do programa, em particular as relacionadas aos membros do Comitê da Finança e Gestão da Governadoria e da Secretaria de Estado de Sua Santidade, fazem que a mesma Secretaria de Estado e a Governadoria recorram a todas as vias oportunas, se for necessário legais, para garantir a venerabilidade de pessoas moralmente íntegras e de reconhecido profissionalismo, que servem lealmente a Igreja, o Papa e o bem comum.

Em qualquer caso, os critérios positivos e claros de correta e sã administração e de transparência nos quais se inspirou Dom Viganó certamente seguem sendo os que guiam também aos atuais responsáveis pela Governadoria, em sua comprovada competência e retidão.

E isto é coerente com a linha de sempre maior transparência e confiabilidade e de atento controle sobre as atividades nas quais a Santa Sé está claramente empenhada, diante das dificuldades, como demonstram também as adesões às convenções internacionais sobre as quais se noticia –por coincidência– hoje mesmo.

Em resumo, a sucessão na guia da Governadoria não tenta ser, certamente, um passo atrás em relação à transparência e o rigor, a não ser um passo mais adiante.

A segunda. As discussões e as tensões, as compreensíveis diferenças de opinião e posições, são colocadas para uma valoração de um juízo superior justamente porque assim se está em capacidade de ver os temas desde uma perspectiva mais ampla e com critérios mais completos.

Um procedimento de discernimento difícil sobre os distintos aspectos do exercício do governo de uma instituição complexa e articulada como a Governadoria –que não se limita aos do justo rigor administrativo– foi apresentado de modo parcial e banal, exaltando evidentemente os aspectos negativos com o fácil resultado de apresentar as estruturas de governo da Igreja não tanto como tocadas pela fragilidade humana –o que seria facilmente compreensível– mas como caracterizadas por profundas disputas, divisões ou lutas de interesses.

Sobre isto dizemos sem temor que se foi e com freqüência se vai além da realidade, que a situação geral da Governadoria não é tão negativa como se quis fazer acreditar, que tanta desinformação não pode certamente ocultar o trabalho sereno e cotidiano em vista de uma sempre maior transparência de todas as instituições vaticanas, e finalmente que não é necessário esquecer que o governo da Igreja tem seu vértice em um Pontífice julgamento profundo e prudente cuja honestidade acima de toda suspeita garante a serenidade e confiança que justamente se espera de quem opera ao serviço da Igreja e de todos os fiéis.

Nesta perspectiva, reafirma-se decididamente que confiar a tarefa de Núncio nos Estados Unidos a Dom Vigano, uma das tarefas mais importantes de toda a diplomacia vaticana, devido à importância do país e da Igreja Católica nos Estados Unidos, é prova da indubitável estima e confiança da parte do Papa".



Unidade pode ser resposta à crise de fé no mundo, explica Papa

Na manhã desta sexta-feira, 27, o Papa Bento XVI destacou aos participantes da Sessão Plenária da Congregação para a Doutrina da Fé, que a promoção da unidade dos cristãos está extremamente ligada à resposta a crise de fé que assola o mundo.

“Como sabemos, em muitas partes da terra, a fé corre o perigo de se apagar como uma chama que não encontra mais alimento. Estamos diante de uma profunda crise de fé, uma perda do sentido religioso que constitui o mais importante dever da Igreja de hoje. O renovamento da fé deve, portanto, ser a prioridade no empenho da Igreja inteira para os nossos dias”, salientou Bento XVI os membros da Congregação recebida, em audiência, na Sala Clementina, no Palácio Apostólico Vaticano.

Acesse
.: NA ÍNTEGRA: Discurso do Papa à Congregação para a Doutrina da Fé - 27/01/2012

O Papa sublinhou que não são poucos os bons frutos arrecadados pelos diálogos ecumênicos, mas que, ao mesmo tempo, se deve reconhecer a existência do risco de uma falsa atitude de compreensão e caridade, adotada entre os cristãos de diferentes credos e de um indiferentismo, totalmente contrário ao espírito do Concílio Vaticano II.

“Tal indiferentismo é causado pela opinião sempre mais difusa que a verdade não seria acessível ao homem; seria, portanto, necessário limitar-se a encontrar regras para uma prática capaz de melhorar o mundo. Assim, a fé seria constituída de um moralismo sem fundamento profundo. O centro do verdadeiro ecumenismo é, em vez, a fé na qual o homem encontra a verdade que se revela na Palavra de Deus”, afirmou o Papa.

Para Bento XVI, sem a fé, todos os movimentos ecumênicos seriam reduzidos a uma forma de “contrato social”, que adere a um interesse comum. Ele recorda que a lógica do Concílio Vaticano II é completamente diferente, ela afirma que a busca sincera da plena unidade de todos os cristãos é um dinamismo animado pela Palavra de Deus.

Tradição e tradições

“É fundamental o discernimento entra a Tradição e tradições. Um importante passo para tal discernimento foi tomado na preparação e implementação de medidas para os grupos de fiéis provenientes do Anglicanismo, que desejam entrar em plena comunhão com a Igreja, conservando as próprias tradições espirituais, litúrgicas e pastorais, que estão em conformidade com a fé católica (cfr Const. Anglicanorum coetibus, art. III). Existe, de fato, uma riqueza espiritual nas diversas Denominações cristãs, que expressão uma única fé e dom a se compartilhar”, explicou o Pontífice.

O Santo Padre salientou ainda que conhecer a verdade é direito do interlocutor de cada verdadeiro diálogo, neste sentido, ocorre afrontar com coragem também as questões controversas, sempre num espírito de fraternidade e respeito recíproco.

Desafios morais

Por fim, Bento XVI salientou que a problemática moral constitui um novo desafio para o caminho ecumênico, destacando que nos diálogos não se pode ignorar as grandes questões morais que certam a vida humana, a família, a sexualidade, a bioética, a justiça e a paz.

“Seria importante falar sobre estes temas com uma só voz, elaboradas com fundamento na Escritura e na vida tradição da Igreja. Esta tradição nos ajuda a decifrar a linguagem do Criador em Sua criação. Defendendo os valores fundamentais da grande tradição da Igreja, defendemos o homem, defendemos o criado”, disse o Papa.

Falta de unidade: obstáculo para a pregação do Evangelho

O Santo Padre concluiu seu discurso destacando que a divisão entre os cristãos, de fato, não só se opõe abertamente a vontade de Cristo, mas é também obstáculo ao mundo e dano a mais santa das causas: a pregação do Evangelho a todas as criaturas.

“A unidade é, portanto, não somente fruto da fé, mas um meio e quase um pressuposto para anunciar a fé de modo mais credível àqueles que não conhecem ainda o Salvador. Jesus pediu: ‘Como tu, Pai, és em mim e eu em ti, sejam também eles em nós uma coisa só, para que o mundo creia que tu me enviaste’ (Jo 17, 21).”, reforçou Bento XVI.



Marxismo Cultural e Revolução Cultural - Aula II

Como visto na aula anterior, Marx já havia identificado uma problemática cultural na alienação do proletariado, ao dizer que a religião é o ópio do povo. Isso foi analisado de forma mais sistemática por Antonio Gramsci, que vivenciou toda a crise teórica do comunismo após a I Guerra. Esta crise do marxismo gerou 2 filhos: o fascismo e o marxismo cultural, cada um deles com uma proposta bastante clara para chegar aos seus objetivos de dominação.


Para assistir a aula I acesse este link



Evangelho do IV Domingo do Tempo Comum - (Ano B)

Mc 1,21-28




Jesus chegou a Cafarnaúm e quando, no sábado seguinte, entrou na sinagoga e começou a ensinar, todos se maravilhavam com a sua doutrina, porque os ensinava com autoridade e não como os escribas. Encontrava-se na sinagoga um homem com um espírito impuro, que começou a gritar: “Que tens Tu a ver conosco, Jesus Nazareno? Vieste para nos perder? Sei quem Tu és: o Santo de Deus”. Jesus repreendeu-o, dizendo: “Cala-te e sai desse homem”. O espírito impuro, agitando-o violentamente, soltou um forte grito e saiu dele. Ficaram todos tão admirados, que perguntavam uns aos outros: “Que vem a ser isto? Uma nova doutrina, com tal autoridade, que até manda nos espíritos impuros e eles obedecem-Lhe!” E logo a fama de Jesus se divulgou por toda a parte, em toda a região da Galileia.







Caríssimos, hoje a Palavra a nós proclamada mostra o Senhor ensinando. O Evangelho nos dá conta que seu ensinamento causava admiração. E por quê? Porque Jesus não é um simples mestre, um mero rabi… Vocês escutaram na primeira leitura o que Moisés prometera – ou melhor, o que Deus mesmo prometera pela boca de Moisés: “O Senhor teu Deus fará surgir para ti, da tua nação e do meio de teus irmãos, um profeta como eu: a ele deverás escutar!” Eis! Moisés, o grande líder e libertador de Israel, aquele através do qual Deus falava ao seu povo e lhe dera a Lei, anuncia que Deus suscitará um profeta como ele. E os judeus esperavam esse profeta. Chegaram mesmo a perguntar a João Batista: “És o Profeta?” (Jo 1,21), isto é, “És o Profeta prometido por Moisés?” Pois bem, caríssimos: esse Profeta, esse que é o Novo Moisés, esse que é a própria Palavra de Deus chegou: é Jesus, nosso Senhor! Como Moisés, ele foi perseguido ainda pequeno por um rei que queria matar as criancinhas; como Moisés, ele teve que fugir do tirano cruel, como Moisés, sobre o Monte – não o Sinai, mas o das Bem-aventuranças – ele deu a Lei da vida ao seu povo; como Moisés, num lugar deserto, deu ao povo de comer, não mais o maná que perece, mas aquele pão que dura para a vida eterna. Jesus é o verdadeiro Moisés; e mais que Moisés, “porque a Lei foi dada por meio de Moisés, mas a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo” (Jo 1,17). Jesus é a plenitude da Lei de Moisés, Jesus não é somente um profeta, mas é o próprio Deus, Senhor dos profetas, Senhor de Moisés! Moisés deu testemunho dele no Tabor e cairia de joelhos a seus pés se o encontrasse. Jesus, caríssimos, é a própria Palavra do Pai feita carne, feita gente, habitando entre nós!

Mas, essa Palavra não é somente voz, sopro saído da boca. Essa Palavra que é Jesus é tão potente (lembrem-se que tudo foi criado através dela!), que não somente fala, mas faz a salvação acontecer. Por isso os milagres de Jesus, suas obras portentosas: para mostrar que ele é a Palavra eficaz e poderosa do nosso Deus. Ao curar um homem atormentado na sinagoga de Cafarnaum, Jesus nosso Senhor mostra toda a sua autoridade, seu poder e também o sentido de sua vinda entre nós: ele veio trazer-nos o Reino de Deus, do Pai, expulsando o reino de Satanás, isto é, tudo aquilo que demoniza a nossa vida e nos escraviza! – Obrigado, Senhor, Jesus, pela tua vinda! Obrigado pela tua obra de libertação! Muito obrigado porque, em ti, tudo é Palavra potente: tua voz, tuas ações salvadoras, teu modo de viver, teus exemplos, tuas atitudes! Tu não somente tens palavras de vida eterna; tu mesmo és a Palavra de Vida! Obrigado! Dá-nos a capacidade de escutar-te sempre!

Meus caros, se Jesus é essa Palavra potente, Palavra de vida, então viver sua Palavra é encontrar verdadeiramente a vida e a liberdade. Na leitura do Deuteronômio que escutamos, Deus dizia, falando do Profeta que haveria de vir: “Porei em sua boca as minhas palavras e ele lhes comunicará tudo o que eu lhe mandar. Eu mesmo pedirei contas a quem não escutar as minhas palavras que ele pronunciar em meu nome”. Ora, caríssimos, se Jesus é a Palavra de Deus, então é nele que encontramos a luz para os nossos passos e o rumo da nossa existência. Num mundo como o nosso, que prega uma autonomia louca do homem em relação a Deus, uma autonomia contra Deus, nós que cremos em Jesus, devemos cuidar de nos converter sempre a ele, escutando sua palavra. Ele nos fala, caríssimos: fala-nos nas Escrituras, fala-nos na voz da sua Igreja, fala-nos íntimo do coração, fala-nos na vida e nos acontecimentos… Certamente, ouvi-lo não é fácil, pois muitas vezes sua palavra é convite a sairmos de nós mesmos, de nossos pensamentos egoístas, de nossas visões estreitas, de nossa sensibilidade quebrada e ferida pelo pecado. Sairmos de nós para irmos em direção ao Senhor, iluminados pela sua santa palavra – eis o que Cristo nos propõe hoje!

É tão grande a bênção de encontrar o Senhor, de viver nele e para ele, que São Paulo chega mesmo a aconselhar o celibato, para estarmos mais disponíveis para o Senhor. Vocês escutaram a segunda leitura da Missa deste hoje. O Apóstolo recomenda o ficar solteiro, não por egoísmo ou ódio ao matrimônio, mas para ter mais condições de ser solícitos para com as coisas do Senhor e melhor permanecer junto ao senhor. É este o sentido do celibato dos religiosos e dos padres diocesanos: recordar ao mundo que Cristo é o Senhor absoluto de nossa vida e que por ele vale a pena deixar tudo, para com ele estar, para, como Maria irmã de Marta, estar a seus pés, escutando-o e para ele dando o melhor de nós. O celibato, que num mundo descrente e sedento de prazer sensual, é um escândalo, para os cristãos é um sinal do primado de Cristo e do seu Reino.

Rezemos para que aqueles que prometeram livremente viver celibatariamente cumpram seus compromissos com amor ao Senhor e à Igreja. Rezemos também para que os cristãos saibam ver no celibato não uma armadilha ou uma frustração, mas um belíssimo sinal profético, um verdadeiro grito de que Deus deve ser amado por tudo e em tudo, acima de todas as coisas. Se os casados mostram a nós, celibatários, a beleza do amor conjugal e do mistério de amor esponsal entre Cristo e a Igreja, nós, solteiros pelo Reino dos Céus, mostramos aos casados e ao mundo que tudo passa e tudo é relativo diante da beleza, da grandeza e do absoluto dAquele que Deus nos enviou: o seu Filho bendito, sua Palavra eterna, Verdade que ilumina, liberta e dá vida. A ele a glória para sempre. Amém.

Por D. Henrique Soares



quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Marxismo Cultural e Revolução Cultural - Aula I

Esta é uma série de palestras que busca compilar, de forma sistemática, o tema do Marxismo Cultural que se encontra difuso em diversos vídeos e palestras no site padrepauloricardo.org. O intuito é o de apresentar a revolução cultural dentro da Igreja ou, melhor dizendo, um estudo sistemático das raízes da Teologia da Libertação e de sua atuação dentro da Igreja Católica.

Como reflexão teológica, o objetivo é o de identificar o que está acontecendo com a teologia e a maneira como o pensamento revolucionário está influenciando a forma de pensar a teologia, Deus, a Igreja e o sacerdócio. Porém, para se chegar à teologia é importante conhecer as raízes desta revolução, que se encontram na filosofia.

O curso também irá abordar a razão pela qual a expressão teologia da libertação não é mais tema de discussão. Na realidade, ela já domina hegemonicamente o pensamento da própria Igreja. E é exatamente para desmascarar esse domínio velado que este curso é apresentado aos assinantes do site Christo Nihil Praeponere.



Fonte: padrepauloricardo.org

Marcha pela Vida reuniu 400 mil pessoas em Washington e a imprensa se cala… uma vez mais

Marcha pela vida acontece todo dia 23 de janeiro em razão da decisão judicial Roe V. Wade da Corte Suprema que legalizou o aborto nos Estados Unidos.


400.000 pessoas de todo o país se reuniram na segunda-feira 23 de janeiro em Washington DC na célebre Marcha pela Vida que a cada ano pede pelos não nascidos nos Estados Unidos. Como já é tradição os grandes meios de comunicação ignoraram o evento.

A reunião congregou a jovens, mulheres, homens e crianças de todo o país que durante várias horas suportaram intenso frio, neblina e até chuva enquanto percorriam as principais ruas da capital americana até a sede do Capitólio. A marcha foi realizada um dia depois do aniversário número 39 da decisão judicial Roe V. Wade da Corte Suprema que legalizou o aborto nos Estados Unidos.

Os manifestantes se reuniram no National Mall para escutar as dissertações de deputados e líderes pró-vida. O Presidente da Câmara de Representantes, John Boehner (Republicano-Ohio), afirmou aos manifestantes que “a vida e a liberdade” são dois princípios fundamentais que se entrelaçam para “formar o núcleo de nosso caráter nacional.”

A morte violenta de crianças inocentes não é um valor americano. (Deputado Chris Smith)
“Quando afirmamos a dignidade da vida, afirmamos nosso compromisso com a liberdade”, disse. Quando não somos capazes de defender a vida, a liberdade se vê diminuída.”

Boehner –que tem 11 irmãos– pronunciou umas palavras de abertura na marcha, nas quais recordou que “a vida humana não é uma mercadoria política ou econômica. A defesa da vida não é uma questão de partido mas tema de princípios”.

Por sua Marcha, o deputado Chris Smith (Republicano-Nova Jersey), explicou ante a multidão que a morte violenta de crianças inocentes “não é um valor americano”. Ele agradeceu aos presentes na marcha pela seu “abnegada luta pela oração, o jejum e as obras” para participar do que ele chamou “o maior movimento de direitos humanos na terra.”

Imprensa em silêncio

Assim como no Brasil, a imprensa americana se calou ante as manifestações contra a descriminalização do aborto. Ainda assim deseja ser chamada de "imparcial".
Os cantos e gritos dos manifestantes se escutaram em toda o percurso mas foram ignorados por meios importantes como o jornal New York Times.

Kristen Walker, vice-presidenta da organização pró-vida New Wave Feminists, disse que há quem “quer faze-nos acreditar que quase meio milhão de pessoas tomando as ruas cada ano pelo aniversário da decisão Roe Vs. Wade não é de interesse jornalístico porque ocorre todos os anos”.

Além disso, denunciou que há outros meios como o Washington Post que deram certa cobertura ao evento, mas reduzindo-o a um enfrentamento com os abortistas e alguns comentários em seus blogs online.
O Washington Post “manipulou um evento no qual centenas de milhares de americanos livres de todo o país se reuniram na capital de sua nação para fazer que sua voz seja ouvida, e o apresentou como um pequeno e feio confronto entre fanáticos”.

Cerca de 400 mil pessoas foram as ruas. Definitivamente o povo não deseja a descriminalização do aborto!
Segundo Walker, a intenção da imprensa secular majoritariamente abortista é apresentar os pró-vida como “um grupo marginal de fanáticos” e desmoralizar os organizadores.

“Quase todos os canais, jornais e revistas são a voz a favor do aborto. Estamos em inferioridade numérica, mas não nos calaremos. A chave para ganhar a guerra da informação quando se trata do aborto está nos novos meios de comunicação como as redes sociais”.




300 anos do Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem


Neste ano de 2012, o TRATADO DA VERDADEIRA DEVOÇÃO À SANTÍSSIMA VIRGEM, escrito por São Luís Maria Grignion de Montfort, completa 300 ANOS, o que nos impõe uma séria reflexão sobre a pessoa e a missão da Santíssima Virgem junto à Igreja de Deus e a cada fiel em particular, bem como sobre a importância estratégica da TOTAL CONSAGRAÇÃO ensinada neste Tratado pelo Santo de Montfort.

Devemos considerar que no ano em que alguém ou alguma obra celebram um jubileu, se dá uma maior importância ao que se está celebrando. No caso da comemoração dos 300 ANOS do TRATADO DA VERDADEIRA DEVOÇÃO temos grandes e profundas razões para dar uma mais significativa importância à celebração do jubileu deste que é o escrito mariano mais lido, difundido e estudado de todos os tempos, uma vez que o inimigo infernal fez de tudo para que este livro não aparecesse, chegando mesmo a escondê-lo por 130 anos (T.V.D. 114). De fato, o TRATADO escrito por São Luís em 1712 desapareceu, sendo reencontrado apenas em 1842, em uma das casas de congregação que o Santo fundou na França. O ódio do demônio a este Tratado sobre Nossa Senhora, se justifica se considerarmos que aí se ensina a esmagar a cabeça desta serpente diabólica, uma vez que conduz a alma confiante a entregar-se a MARIA para com Ela aprender a amar a JESUS de verdade, cumprindo seus mandamentos, fazendo tudo quanto Ele mandou.

A nossa salvação ou condenação dependerá de fazermos ou não em nossa vida a vontade de DEUS. No Tratado se ensina justamente a se fazer esta entrega a NOSSA SENHORA – e por meio dela a JESUS – para com Ela aprendermos a fazer bem a vontade de Deus. São Luís, no Tratado, chama os Escravos por Amor de “calcanhar de Nossa Senhora”, afirmando que o calcanhar é a parte mais humilhada do corpo, por estar abaixo de todos os outros membros, mas que ao mesmo tempo é a parte que sustenta todo o peso do corpo e que é com este calcanhar que ela esmagará a cabeça da serpente, pois nos ensinará a rejeitar as obras do mal e a fazer sempre a vontade de Deus.

São Luís ensina ainda, que JESUS reinará no mundo, ou seja, nos corações e que este reinado de JESUS se dará por meio de MARIA, ou seja, JESUS confiou a Ela a missão de conduzir a Igreja a uma mais perfeita realização da vontade de DEUS neste mundo, e a maneira pela qual se estabelecerá o Reinado de Maria é pela difusão e prática da Verdadeira Devoção ensinada no Tradado escrito por São Luís de Montfort.

Em Fátima, no ano de 1917, a Santíssima Virgem confirma o ensinamento e a profecia de São Luís de Montfort quando declara: “Meu Filho quer estabelecer no mundo a Devoção ao meu Imaculado Coração”, com isto, JESUS direciona seu olhar a cada um dos seus fieis e diz novamente: “ – Eis aí a tua Mãe”(Jo 19,25). Jesus quer que todos aceitem a maternidade de sua Mãe Santíssima, entrando na refúgio-escola do seu Imaculado Coração, para se protegerem dos ataques do maligno e aprender a amá-lO em espírito e verdade.

São Luís de Montfort ensina também que a missão de Nossa Senhora se revestirá de maior importância nesses últimos tempos, pois o maligno intensificará seus esforços para perder as almas, sabendo que bem pouco tempo lhe resta. (T.V.D. 49)

É preciso atenção para os desígnios e a pedagogia de DEUS, pois como ensina Montfort, Deus não muda em sua palavra nem em seu agir, assim como Ele veio ao mundo por MARIA, também deve reinar no mundo por meio d’Ela (T.V.D. 1), mas adverte que isso só acontecerá se conhecermos e colocarmos em prática a VERDADEIRA DEVOÇÃO A NOSSA SENHORA.

Também em Fátima, Nossa Senhora fala sobre este glorioso acontecimento fazendo entender que o seu Triunfo-reinado – que levará ao Reinado de Jesus – acontecerá quando estabelecermos no mundo a devoção ao seu Imaculado Coração. Portanto, quem deseja que venha logo ao mundo o Triunfo do Imaculado Coração de Maria e o Reinado de Nosso Senhor nos corações, deve assumir para si o desejo do coração de JESUS e fazer de tudo para difundir a VERDADEIRA DEVOÇÃO AO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA como ensina Montfort.

O Céu tem feito a sua parte para difundir a VERDADEIRA DEVOÇÃO A SANTÍSSIMA VIRGEM, falta que nós façamos a nossa.

Se olharmos os acontecimentos destes últimos tempos, especialmente da aparição de Fátima (1917) até hoje, veremos o quanto Deus tem feito para o cumprimento de seus desígnios relativamente à difusão da Verdadeira Devoção a Nossa Senhora, uma vez que nos deu um Papa “Totus Tuus”, escravo por amor, que testemunhou ao mundo todo, a importância e a eficácia desta TOTAL CONSAGRAÇÃO, recomendando a todos como meio de elevação espiritual e crescimento no amor a Cristo. Com toda a certeza foi da pessoa de João Paulo II que falava Jesus quando afirmava a Santa Faustina Kovolska, que da Polônia iria sair uma “centelha” com a qual incendiaria o mundo inteiro. Sem dúvida este grande Papa tornou-se uma “centelha” para incendiar o mundo, no que se refere a sua devoção mariana, meio pelo qual chegou a ter um amor apaixonado a Jesus, do qual esta nossa geração foi testemunha.

Em 2007, o cardeal Ivan Dias, então prefeito da Congregação para Propagação da Fé, apresentava aos sacerdotes a TOTAL CONSAGRAÇÃO a Nossa Senhora como “atalho” para a santidade e meio de se obter maior fecundidade no exercício do ministério sacerdotal. Em 2011, na vigília de encerramento do Ano Sacerdotal (2009-2010), foi dado a cada sacerdote presente uma cópia do “segredo de Maria”, pequeno livro escrito por São Luís que é uma espécie de resumo do TRATADO DA VERDADEIRA DEVOÇÃO, onde também se ensina a TOTAL CONSAGRAÇÃO À SANTÍSSIMA VIRGEM.

Em 2011, na quaresma foram pregados os Exercícios Espirituais para o Papa e os cardeais, que teve por tema “Os Santos na vida espiritual do bem-aventurado João Paulo II”. Nessa ocasião foi dado um TRATADO DA VERDADEIRA DEVOÇÃO ao Papa e a cada um dos participantes, e o pregador do retiro, Pe. Dr. Lethel, afirmava ao Papa Bento XVI e a seus cardeais que o santo que mais influenciou na vida espiritual do bem-aventurado João Paulo II foi São Luís de Montfort com seus ensinamentos sobre a VERDADEIRA DEVOÇÃO a Nossa Senhora ao ponto do Bem-aventurado Papa tomar a TOTAL CONSAGRAÇÃO como seu lema Pontifical.

Devemos ainda lembrar que durante o ano de 2011 houve uma grande movimentação para pedir ao Santo Padre a decretação do Ano Mariano (2012-2013) por ocasião dos 300 ANOS do TRATADO DA VERDADEIRA DEVOÇÃO À SANTÍSSIMA VIRGEM, chegando esse pedido às mãos da sua Santidade por diferentes vias. Paralelamente foi feita uma grande campanha para consagração que obteve grande êxito. Entretanto, o Santo Padre declarou 2012-2013 Ano da Fé, surpreendendo-nos positivamente, fazendo ver de maneira mais profunda que a celebração do jubileu dos 300 ANOS do TRATADO DA VERDADEIRA DEVOÇÃO e a conseqüente difusão da TOTAL CONSAGRAÇÃO aí ensinada, objetiva o crescimento e o fortalecimento de nossa fé, levando-nos a permanecer firmes em Cristo, em meio a todas as tribulações e desorientações de nosso tempo.

Enfim, JESUS quer que se estabeleça no mundo a VERDADEIRA DEVOÇÃO, para que por este meio, Ele possa reinar nos corações e muitos possam se salvar, para isso, concederá de maneira especial e superabundante durante este jubileu, muitas graças para difusão desta TOTAL CONSAGRAÇÃO, portanto é preciso que façamos nossa parte, rezando, aprofundando no estudo e vivencia da Verdadeira Devoção e tornando-nos apóstolos de Nossa Senhora difundido por toda parte e por todos os meios possíveis a Santa Escravidão de Amor ensinada por Montfort.

É importante dizer que sendo a Santa Escravidão de Amor, uma perfeita renovação de nossos votos batismais, possui uma perene atualidade pastoral, uma vez que toda a vida cristã resume-se neste esforço para vivermos como verdadeiros filhos de Deus.

É necessário lembrar também que a TOTAL CONSAGRAÇÃO À SANTÍSSIMA VIRGEM é totalmente católica e cristocêntrica, uma vez que é para todos os batizados e tem por objetivo nos unir a JESUS e nos fazer crescer no Amor a Ele; ou seja, a SANTA ESCRAVIDÃO DE AMOR ou TOTAL CONSAGRAÇÃO À SANTÍSSIMA VIRGEM não atrapalha nenhum carisma ou espiritualidade de qualquer movimento ou comunidade que seja, ao contrário, essa entrega total a Nossa Senhora ajuda cada pessoa a viver de modo mais intenso e profundo seu próprio carisma e sua própria espiritualidade, uma vez que Ela é a boníssima Mãe e a Virgem Fiel que nos leva em tudo a fazer a vontade de Deus, cumprindo com mais perfeição e amor nossos deveres de estado. E a semelhança da oração do Rosário – só que com muito maiores e profundas razões – a TOTAL CONSAGRAÇÃO não é apenas para alguns privilegiados, ou para alguma comunidade ou movimento, mas é proposta para todos os batizados para que vivam com mais facilidade, constância e coerência a sua condição de filhos de Deus.

A TOTAL CONSAGRAÇÃO é o meio e a estratégia que Deus escolheu para ajudar seus filhos a permanecerem firmes na verdadeira fé e para salvar muitas almas, uma vez que por essa Total entrega se põe a disposição de Nossa Senhora todos os nossos bens espirituais, para que Ela possa usá-las para socorrer as almas e converter os pecadores. Verdadeiramente, muitos se salvarão não por seus méritos pessoais, mas pelas orações e sacrifícios de outros. Assim, a Santa Escravidão nos transforma em doadores de méritos para que Nossa Senhora possa utilizá-lo para salvar nosso próximo, de modo que quantos mais e melhores escravos de Amor houverem tantos mais méritos Nossa Senhora terá para alcançar a graça da contrição e conversão para os que estão longe de Deus e de sua graça. Ainda são “muitos os que se condenam por que não há quem reze e se sacrifique por eles”, conforme disse Nossa Senhora em Fátima (1917). É para salvar as almas dos pobres pecadores que Deus quer estabelecer no mundo a VERDADEIRA DEVOÇÃO DO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA, pois esse meio a Santíssima terá muitos meios para socorrer muitas almas. Portanto difundir a VERDADEIRA DEVOÇÃO e ensinar as pessoas a vivenciá-las é um meio extraordinário e eficiente não apenas de permanecer na comunhão com Cristo, mas também de ajudar a salvar a muitos.

Devemos fazer uso das graças que Deus proporciona neste Ano de jubileu dos 300 ANOS do Tratado – (2012 – 2013) – para estabelecermos no mundo a VERDADEIRA DEVOÇÃO AO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA como faz ensinando São Luís Maria Grignion de Montfort.

Trabalhemos, pois há muito a se fazer e “tempo vale almas”.

EQUIPE CONSAGRA-TE
Cultura Católica



Orações de Todos os Tempos


Oração do Pai Nosso

Pai nosso que estais no Céu santificado seja o Vosso Nome, 
venha a nós o Vosso reino, 
seja feita a Vossa vontade, assim na terra como no Céu.
 O pão nosso de cada dia nos dai hoje;
 perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido,
 e não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal. 
Amém.




quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Conversão de São Paulo

O martírio de São Paulo é celebrado junto com o de São Pedro, em 29 de junho, mas sua conversão tem tanta importância para a história da Igreja que merece uma data à parte. Neste dia, no ano 1554, deu-se também a fundação da que seria a maior cidade do Brasil, São Paulo, que ganhou seu nome em homenagem a tão importante acontecimento. 


Saulo, seu nome original, nasceu no ano 10 na cidade de Tarso, na Cilícia, atual Turquia. À época era um pólo de desenvolvimento financeiro e comercial, um populoso centro de cultura e diversões mundanas, pouco comum nas províncias romanas do Oriente. Seu pai Eliasar era fariseu e judeu descendente da tribo de Benjamim, e, também, um homem forte, instruído, tecelão, comerciante e legionário do imperador Augusto. Pelo mérito de seus serviços recebeu o título de Cidadão Romano, que por tradição era legado aos filhos. Sua mãe uma dona de casa muito ocupada com a formação e educação do filho. 


Portanto, Saulo era um cidadão romano, fariseu de linhagem nobre, bem situado financeiramente, religioso, inteligente, estudioso e culto. Aos quinze anos foi para Jerusalém dar continuidade aos estudos de latim, grego e hebraico, na conhecida Escola de Gamaliel, onde recebia séria educação religiosa fundamentada na doutrina dos fariseus, pois seus pais o queriam um grande Rabi, no futuro. 



Parece que era mesmo esse o anseio daquele jovem baixo, magro, de nariz aquilino, feições morenas de olhos negros, vivos e expressivos. Saulo já nessa idade se destacava pela oratória fluente e cativante marcada pela voz forte e agradável, ganhando as atenções dos colegas e não passando despercebido ao exigente professor Gamaliel. 



Saulo era totalmente contrário ao cristianismo, combatia-o ferozmente, por isso tinha muitos adversários. Foi com ele que Estêvão travou acirrado debate no templo judeu, chamado Sinédrio. Ele tanto clamou contra Estevão que este acabou apedrejado e morto, iniciando-se então uma incansável perseguição aos cristãos, com Saulo à frente com total apoio dos sacerdotes do Sinédrio. 



Um dia, às portas da cidade de Damasco, uma luz, descrita nas Sagradas Escrituras como "mais forte e mais brilhante que a luz do Sol", desceu dos céus, assustando o cavalo e lançando ao chão Saulo , ao mesmo tempo em que ouviu a voz de Jesus pedindo para que parasse de persegui-Lo e aos seus e, ao contrário, se juntasse aos apóstolos que pregavam as revelações de Sua vinda à Terra. Os acompanhantes que também tudo ouviram, mas não viram quem falava, quando a luz desapareceu ajudaram Saulo a levantar pois não conseguia mais enxergar. Saulo foi levado pela mão até a cidade de Damasco, onde recebeu outra "visita" de Jesus que lhe disse que nessa cidade deveria ficar alguns dias pois receberia uma revelação importante. A experiência o transformou profundamente e ele permaneceu em Damasco por três dias sem enxergar, e à seu pedido também sem comer e sem beber. 



Depois Saulo teve uma visão com Ananias, um velho e respeitado cristão da cidade, na qual ele o curava. Enquanto no mesmo instante Ananias tinha a mesma visão em sua casa. Compreendendo sua missão, o velho cristão foi ao seu encontro colocando as mãos sobre sua cabeça fez Saulo voltar a enxergar, curando-o. A conversão se deu no mesmo instante pois ele pediu para ser Batizado por Ananias. De Damasco saiu a pregar a palavra de Deus, já com o nome de Paulo, como lhe ordenara Jesus, tornando-se Seu grande apóstolo. 



Sua conversão chamou a atenção de vários círculos de cidadãos importantes e Paulo passou a viajar pelo mundo, evangelizando e realizando centenas de conversões. Perseguido incansavelmente, foi preso várias vezes e sofreu muito, sendo martirizado no ano 67, em Roma. Suas relíquias se encontram na Basílica de São Paulo Fora dos Muros, na Itália, festejada no dia de sua consagração em 18 de novembro. 



O Senhor fez de Paulo seu grande apóstolo, o apóstolo dos gentios, isto é, o evangelizador dos pagãos. Ele escreveu 14 cartas, expondo a mensagem de Jesus, que se transformaram numa verdadeira "Teologia do Novo Testamento". Também é o patrono das Congregações Paulinas que continuam a sua obra de apóstolo, levando a mensagem do Cristianismo a todas as partes do mundo, através dos meios de comunicação.

Fonte: Paulinas

Catequese do Papa Bento XVI


Sala Paulo VI
Quarta-feira, 25 de janeiro de 2012



Queridos irmãos e irmãs
Na catequese de hoje concentramos a nossa atenção sobre a oração que Jesus dirige ao Pai na hora do seu enaltecimento e da sua glorificação. Como afirma o Catecismo da Igreja Católica: “A tradição a define a oração sacerdotal de Jesus”. É aquela do nosso Sumo Sacerdote, a qual é inseparável do seu Sacrifício, da sua passagem (Páscoa) ao Pai, onde ele é inteiramente “consagrado” ao Pai. (n. 2747).

Esta oração de Jesus é compreensível na sua extrema riqueza, sobretudo se a colocamos no contexto da festa judaica da expiação, o Yom kippur. Naquele dia o Sumo Sacerdote completa a expiação por si mesmo, depois pela classe sacerdotal e enfim pela inteira comunidade do povo. O objetivo é o de conduzir o povo de Israel, depois das transgressões do ano, à consciência da reconciliação com Deus, à consciência de ser um povo eleito, ‘povo santo’ em meio aos outros povos. A oração de Jesus, apresentada no capítulo 17 do Evangelho Segundo João, retoma a estrutura desta festa. Jesus naquela noite se volta ao Pai no momento no qual está oferecendo a si mesmo. Ele, sacerdote e vítima, ora por si mesmo, pelos apóstolos e por todos aqueles que acreditarão n’Ele, pela Igreja de todos os tempos (Jo 17,20).

A oração que Jesus faz por si mesmo é o pedido da própria glorificação, do próprio enaltecimento na sua ‘hora’. Na realidade é mais um pedido e uma declaração de plena disponibilidade de entrar, livremente e generosamente, no desígnio do Pai que se cumpre na entrega, na morte e na ressurreição. Esta “Hora” é iniciada com a traição de Judas (Jo 13,31) e culminará na subida de Jesus ressuscitado ao Pai (Jo 20,17). A saída de Judas do cenáculo é comentada por Jesus com estas palavras: “Agora o Filho do Homem foi glorificado e Deus foi glorificado nEle” (Jo 13,31). Não acaso, Ele inicia a oração sacerdotal dizendo: “Pai, é chegada a hora: glorifica o teu Filho para que o Filho glorifique a ti” (Jo 17,1). A glorificação que Jesus pede por si mesmo como Sumo Sacerdote é o ingresso na plena obediência ao Pai, uma obediência que o conduz à sua mais plena condição filial: “E agora, Pai, glorifica-me diante de Ti com aquela glória que eu havia junto de Ti antes que o mundo existisse” (Jo 17,5). Esta disponibilidade e este pedido constituem o primeiro ato do sacerdócio novo de Jesus que é um doar-se totalmente na cruz, e exatamente sobre a cruz – o supremo ato de amor – Ele é glorificado, porque o amor é a alegria verdadeira, a glória divina.

O segundo momento desta oração é a intercessão que Jesus faz pelos discípulos que estiveram com Ele. Eles são aqueles dos quais Jesus pode dizer ao Pai: “Manifestei o teu nome aos homens que do mundo me destes. Eram teus e os destes a mim, e eles observaram a Sua Palavra” (Jo 17,6). “Manifestar o nome de Deus aos homens” é a realização de uma presença nova do Pai em meio ao povo, à humanidade. Este “manifestar” não é somente uma palavra, mas é a realidade em Jesus; Deus está conosco, e assim o nome -  a sua presença conosco, o ser um de nós – se “realizou”. Portanto, esta manifestação se realiza na encarnação do Verbo. Em Jesus Deus entra na carne humana, se faz próximo em modo único e novo. E esta presença tem o seu ápice no sacrifício que Jesus realiza na sua Páscoa de morte e ressurreição.

Ao centro desta oração de intercessão e de expiação em favor dos discípulos está o pedido de consagração; Jesus diz ao Pai: “Eles não são do mundo, também eu mandei-lhes ao mundo; por eles eu consagro a mim mesmo, para que sejam também eles consagrados na verdade” (Jo 17, 16-19). Pergunto: o que significa “consagrar” neste caso? Antes de tudo vale dizer que “Consagrado” ou “Santo” é propriamente somente Deus. Consagrar, portanto, quer dizer transferir uma realidade – uma pessoa ou coisa – para a propriedade de Deus. E nisto estão presentes dois aspetos complementares: de uma parte tirar das coisas comuns, segregar, colocar à parte do ambiente de vida pessoal do homem para serem doados totalmente a Deus; e da outra esta segregação, esta transferência à esfera de Deus, tem um significado próprio de envio, de missão: exatamente porque, doada a Deus, a realidade, a pessoa consagrada existe para os outros, é doada aos outros. Doar a Deus quer dizer não estar mais para si mesmo, mas para todos. É consagrado quem, como Jesus, é segregado do mundo e colocado à parte para Deus em vista de um objetivo e exatamente por isto está plenamente à disposição de todos. Para os discípulos, será continuar a missão de Jesus, ser doado a Deus para ser assim em missão por todos. A noite de Páscoa, o Ressuscitado, aparecendo aos seus discípulos, lhes dirá: “A paz esteja convosco. Como o Pai me envio assim eu vos envio” (Jo 20,21)

O terceiro ato desta oração sacerdotal estende o olhar até o fim do tempo. Nela Jesus se volta ao Pai para interceder em favor de todos aqueles que serão levados à fé mediante a missão inaugurada pelos apóstolos e continuada na história: “Não oro somente por estes, mas também por aqueles que acreditarão em mim mediante a Palavra deles”. Jesus reza pela igreja de todos os tempos, reza também por nós (Jo 17,20). O Catecismo da Igreja Católica comenta: “Jesus levou a pleno cumprimento a obra do Pai, e a sua oração, como o seu Sacrifício, se estende até a consumação dos tempos. A oração da Hora preenche os últimos tempos e os leva em direção à consumação” (n.2749).

O pedido central da oração sacerdotal de Jesus dedicada aos seus discípulos de todos os tempos é aquela da futura unidade de quantos acreditarão n’Ele. Tal unidade não é um produto mundano. Essa provém exclusivamente da unidade divina e chega a nós do Pai mediante o Filho e no Espírito Santo. Jesus invoca um dom que provém do Céu, e que tem o seu efeito – real e perceptível – sobre a terra. Ele reza “para que todos sejam um, como Tu, Pai, estás em mim e eu em ti. Que eles estejam em nós sejam também estes em nós, para que o mundo creia que Tu me enviastes” (Jo 17,21). A unidade dos cristãos de uma parte é uma realidade secreta que está no coração daqueles que creem. Mas, ao mesmo tempo, ela deve aparecer com toda a clareza na história, deve aparecer para que o mundo creia, tem um objetivo muito prático e concreto, deve aparecer para que realmente todos sejam uma coisa só. A unidade dos futuros discípulos, sendo em unidade com Jesus – que o Pai enviou pelo mundo – é também a fonte originária da eficácia das missões cristãs no mundo.

Podemos dizer que na oração sacerdotal de Jesus se cumpre a instituição da Igreja. Exatamente ali, no ato da última ceia, Jesus cria a Igreja. Já que, não é a Igreja  a comunidade dos discípulos que, mediante a fé em Jesus Cristo como enviado do Pai, recebe a sua unidade e é envolvida na missão de Jesus de salvar o mundo conduzindo-o ao conhecimento de Deus? Aqui encontramos realmente uma verdadeira definição da Igreja. A Igreja nasce da oração de Jesus. E esta oração não é somente palavra: é o ato no qual se consagra a si mesmo e por assim dizer, se sacrifica pela vida do mundo (Jesus de Nazaré, II)

Jesus reza para que os seus discípulos sejam uma coisa só. Em força de tal unidade, recebida e guardada, a Igreja pode caminhar no mundo sem ser do mundo (cfr Jo 17,16) e viver a missão que lhe foi confiada para que o mundo creia no Filho e no Pai que a enviou. A igreja se torna então o lugar no qual se continua a missão do próprio Cristo:conduzir o mundo da alienação do homem em direção a Deus e a si mesmo, para fora do pecado, a fim que volte a ser o mundo de Deus.


Queridos irmãos e irmãs, colhemos alguns elementos da grande riqueza da oração sacerdotal de Jesus, que vos convido a ler e meditar, para que os guie no diálogo com o Senhor, nos ensine a rezar. Também nós, então, na nossa oração, pedimos a Deus que nos ajude a entrar, de modo mais pleno, no projeto que Ele tem sobre cada um de nós, peçamos à Ele para sermos “consagrados” a Ele, para pertencer-lhe sempre mais para poder amar sempre mais os outros, os próximos e os que estão distantes; peçamos à Ele para sermos sempre capazes de abrir a nossa oração às dimensões do mundo, não fechando-a no pedido de ajuda pelos nossos problemas, mas recordando diante do Senhor o nosso próximo, aprendendo a beleza de interceder pelos outros; peçamos à Ele o dom da unidade visível entre todos os que creem em Cristo – invocamos isto com força na semana de oração pela Unidade dos Cristãos -  oremos para estarmos prontos para responder a qualquer um que nos pergunte acerca da esperança que está em nós (cfr. IPT 3,15). Obrigado. 








Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...